O Amor como doença.

O amor é um sentimento louco né? Louco e faz as pessoas cometerem loucuras. Tira-nos do prumo e nos faz perder a noção de várias coisas, inclusive do ridículo. Muita gente diz que isso são alterações físicas que sentimos no nosso corpo, hormônios, neurotransmissores e tudo mais. Pretendem assim dizer que o amor, e todos os outros sentimentos, não vêem do coração nem da consciência (ou alma como preferires) e sim de glândulas, sinapses nervosas e receptores.

Eu, particularmente, acho isso ultrajante. Onde já se viu dizer que o amor é algo meramente físico. Quem diz isso com certeza jamais sentiu o amor, a saudade, a dor da perda. Jamais se viu transformado pela presença da pessoa amada, jamais se viu olhando para o nada abobado pensando em cada detalhe de cada situação vivida com seu amor.

Mas eu não vim aqui pra mostrar minha revolta contra as recentes, e insensíveis, pesquisas cientificas. Não. Eu escrevo isso hoje pela indignação que me toma ao acompanhar o caso do seqüestro da jovem Eloa Cristina Pimentel da Silva por seu namorado Lindemberg Fernandes Alves, que a pouco ultrapassou as 80 horas de duração.

Queria tecer algumas considerações sobre o caso antes de concluir o objetivo do post que é falar do amor patológico. Eloa tem 15 anos de idade. Seu namorado (ou ex) tem 22 anos. Você pode pensar, nossa que absurdo, 15 anos de idade. Mas este namoro começou quando ela, meus amigos, tinha 12 anos. DOZE anos. Isso não é pra perder a fé na humanidade? Se procurarem o perfil da menina no orkut, bem divulgado na internet a estas horas, as comunidades com que vocês darão de cara são estas: BEIJO MUITO BEM E SEI DISSO , Acabou o Assunto? Então Beija! , Eu ñ quero quem não me quer! , Tudo q é Proibido é + gostoso etc.

A que ponto chegamos gente? Se essa guria é refém a 80 horas não é, única e exclusivamente, pelo fim do relacionamento. PORRA! Um relacionamento destes não devia nem ter começado. Onde estão os pais dessa guria agora? Sofrendo né? E como deixam algo disso acontecer. Sim. Estou muito indignado.

Ai uma garota de 12 anos cai na mão de uma pessoa que com certeza tem um déficit de inteligência e de capacidade psicológica e dá nisso. Isso é o amor doença. Que na verdade não é amor né gente? É neste caso que se encaixam as pesquisas científicas. O cara tinha 19 anos, foi atrás de uma CRIANÇA porque não conseguia ninguém perto de sua idade, começou um relacionamento e quando acabou pirou. E agora tem-se que lidar com uma situação deste risco. Que tudo dê certo, que Eloa acabe em segurança e que repense seu estilo de vida. E que Lindemberg consiga sobreviver à revolta popular e as tentações de fazer uma bobagem quando se acha que tudo está perdido. Que enfrente a justiça, mas a de verdade.

Ao som de AC/DC – She Likes Rock´n Roll (Cd novo. MUITO BOM).

Te amo bebê!

Matheus

Anúncios

10 Comentários

Arquivado em Dele

10 Respostas para “O Amor como doença.

  1. Kamila Matos

    Comei a fuçar este blog agora, depois que vc (nao sei qual dos dois) comentou no meu. Já li uma parte da história de vocês e estou gostando do que estou lendo. Muita sorte pro amor de vocês. Vou continuar a fuçar agora ^^

  2. Renata Fernanda

    Tenho exatamente a mesma opinião. Eu brinquei de casinha até os 15 anos. A infância acabou… A TV tem sua parcela de culpa. Malhação, programa para adolescentes mostra crianças casando no segundo grau, tendo filhos nessa idade… e tudo vai meio que virando coisa comum.
    Eu acho o fim!

  3. regganata

    Olá

    Bem eu concordo com vc Matheus,o amor é algo inesplicavel,só aqueles que o sentem podem falar,mas as palavras parecem ser poucas para explicar…coração apaixonado é msm bobo qualquer sorriso deixa agente bobo…olha eu acho que é mais ou menos isso,tel toca será que é “você”,aquele frio na barriga sempre que vamos nos encontar,pow eu sinto isso e mto mais com meu AMOR!!!

    Abraços aos dois,mta sorte.

  4. henriqeu

    Confesso que até pensei em escrever sobre isso, coisas parecidas acontecem ao meu redor. Não acho nada interessante um relacionamento amoroso com uma menina tão mais nova que eu. Lamentável.

  5. Jaque

    Então Matheus, acho que vc está certíssimo. E tipo assim, alguém pode me dizer como é que essa menina vai conseguir namorar novamente nessa vida? Daí, teremos mais outra mulher mal resolvida, triste, marcada pelo trauma solta por aí…

  6. Ei! Pois é, o pensamento que pus no meu blog é um dos que mais gosto, e reflete muitíssimo o que penso sobre relacionamentos. Por experiencia própria, amar vale muito mais a pena do que brigar! Um abraco, Sandra

  7. meiascoloridas

    Boa noite!! Obrigada pela visita!!
    Tenha uma belo sábado!! [8)] Beijos!!

    * “Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém.
    Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim,
    e ter a paciência para que a vida faça o resto”. Shakespeare

    Adorei seu texto, volte sempre Bruna.

  8. Pior foi a finalização trágica (morte da menina). Há algum tempo eu estudo a história de grandes crimes passionais e deparei-me com uma defesa feita pelo jurista chamado Enrico Ferni. Á época, aquela defesa foi considerada genial, hoje, daria asco em qualquer um, pois, no final das contas, se conclui (pelo discurso), que a vítima é quem foi a culpada.

    Amor não mata; quem ama não querm o mal. Só quem se deixa levar por uma obscessão (vc é minha propriedade!) é que não admite que o outro seja feliz sem estar a seu lado.

    Tristeza…só isso sinto.

  9. acredito que o sentimento que muitos descrevem como “amor”, não passa de possessividade, como tudo hoje pode ser comprado e pago, as pessoas estão se tratando como objetos, porisso esse sentimento de posse sobre o outro.

  10. alemoah

    De fato, o amor virou clichê e não associo obsessão ao amor.

    Acredito que o sentimento que faz tantas pessoas cometerem barbaridades e crimes passionais é tudo… Menos amor. Como pude entender com o post, o amor é uma essência sublime, é toda aquela troca de olhares, de cuidado, de carinho.

    Com uma coisa tenho de concordar: A bagunça que a mídia faz na cabeça dos jovens de hoje em dia. Meu namorado tem trinta e um anos e eu tenho dezessete, porém, nossa relação é consolidada a partir de muito respeito, carinho, cumplicidade. Ele sempre me respeitou ao máximo.

    Tem aquelas briguinhas que todo casal tem, mas a nossa relação é bastante estável e olha que já sofremos muito com o que as pessoas falavam da nossa diferença enoooorme de idade. E acredito que não seja questão de “interessante” o fato da sua namorada ser mais nova que você. É questão de cumplicidade e amor mesmo e, acho que a idade não conta desde que haja maturidade de ambos.

    Porém, observando a realidade, percebo que o que falta é justamente a maturidade.

    Beijos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s